como são feitas as placas cerâmicas
Ambientes Externos

Do forno para a sua obra: como as placas cerâmicas são produzidas?

A cerâmica para revestimentos é feita a partir de uma mistura de argilas e outras matérias-primas inorgânicas. Através de um processo de queima, é possível obter peças de alto nível técnico e estético, que garantem qualidade e eficiência para todo tipo de projeto. Mas como uma mistura de argila e outros componentes se transforma em placas que revestem e decoram ambientes? Conheça todo o processo de fabricação de placas cerâmicas nesse artigo!

Processo de produção

Na indústria, a argila é tratada para ficar homogênea e ajustar a granulometria (tamanho dos grãos), esse procedimento é feito na moagem, podendo ser executado de duas maneiras: por via seca ou via úmida.

No caso de via seca, o material é misturado e moído com a sua umidade natural, em seguida, vai para o granulador para obter o ajuste de tamanho dos grãos. Já na via úmida, os materiais são dissolvidos em água. A mistura vai para o atomizador, onde perde um pouco da umidade, por conta da injeção de gases em alta temperatura, que já agregam os grãos nas características desejadas.

Após esse processo, é feita a conformação, onde os formatos das placas serão definidos. Existem dois tipos de conformação: a prensagem e a extrusão. Na prensagem, a cerâmica é prensada e conformada em prensas de grande tonelagem, nelas as placas já saem com a largura, comprimento e espessura definidos.

Na extrusão, é usado um equipamento parecido com um moedor de carne. Nele, a cerâmica é compactada e forçada por uma rosca para a saída da máquina, essa rosca é chamada de boquilha, ela quem define a largura e espessura da placa. O comprimento é definido pelo corte da barra de material que sai da extrusora.

Continua…

Em seguida, é necessário eliminar o restante de umidade das peças para que não haja defeitos, para isso as placas vão para o secador, que apresentam temperatura de aproximadamente 400ºC.

Para proteger e conceder brilho à placa, é aplicada em sua superfície uma camada de esmalte. Ele é composto por materiais que, a partir da reação química da queima, adquirem aspecto vítreo e brilhoso. Essa camada contribui para aspectos não só estéticos, mas também higiênicos e melhoria da resistência mecânica.

Há materiais que recebem decoração provenientes de serigrafia, decalcomania, pincel, e outros, para isso são utilizadas tintas que têm suas características finais após a queima da peça.

A queima

A queima é fundamental para o desenvolvimento das propriedades finais das placas. Chamada tecnicamente de sinterização, por conta da reação química que acontece durante esse processo. As placas são queimadas no forno em temperaturas acima de 1.000ºC, onde os componentes das matérias-primas utilizadas se transformam. A placa adquire atributos próprios da cerâmica e cria substâncias com propriedades diferentes das existentes no início de fabricação.

Após saírem do forno, os defeitos de fabricação, e as classificações das placas são conferidas, alguns produtos podem necessitar de procedimentos adicionais, como polimento, cortes, furação, e etc.

Em seguida, são embaladas e prontas para o consumidor final.

Todo esse processo garante às placas cerâmicas atributos como durabilidade, por conta da composição química estável, facilidade de manutenção e versatilidade. Além disso, pode influenciar diretamente na estética dos ambientes através de inúmeras opções de estilos de design e paginações que podem ser obtidas através de cores, nuances e texturas.

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.